E-commerce brasileiro fatura R$18,6 bilhões e cresce 16% no semestre

Em 20 ago 2015 - 1:15pm por redação
E-commerce brasileiro fatura R$18,6 bilhões e cresce 16% no semestre

O comércio eletrônico do Brasil fechou o primeiro semestre de 2015 com um faturamento de 18,6 bilhões de reais, número 16% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando faturou 16,1 bilhões de reais. As informações são do relatório WebShoppers, elaborado pela E-Bit/Buscapé e divulgado nesta semana.

De acordo com o levantamento, o principal fator que impulsionou esse faturamento nos seis primeiros meses de 2015 foi o tíquete médio, que ficou em 377 reais, valor 13% maior do que o registrado no primeiro semestre de 2014. Entre as razões para esse aumento estão os preços maiores e um maior volume de vendas em categorias como eletrodomésticos e telefonia e celulares.

No total, 17,6 milhões de pessoas realizaram pelo menos uma compra nas lojas virtuais do país, o que contabilizou 49,4 milhões de pedidos no semestre. Isso representa uma queda de 7% no volume de compradores.

Mobile

Nesta edicão do Webshoppers, a E-bit/Buscapé também realizou uma pesquisa com 2.204 usuários de Internet do país, em junho de 2015, para analisar o comportamento do brasileiro quanto ao uso de dispositivos móveis em compras online.

O estudo aponta que 83% desses consumidores entrevistados possuem pelo menos um dispositivo móvel e a conexão por Wi-Fi (por smartphone ou tablet) em casa é o hábito mais comum de acesso à Internet para 84% dos participantes; seguido por Wi-Fi no trabalho, em 39%; e por operadoras, 36% pós-pago e 32% pré-pago.

Como esperado, casa e trabalho são tos ambientes mais citados para as compras online, por 95% e 46% dos entrevistados, respectivamente; seguidos de casa de amigos ou parentes, 9%.

O levantamento mostra, ainda um comportamento novo que vem ganhando espaço: 14% dos entrevistados disseram ter efetuado a aquisição de um produto através de um dispositivo móvel estando dentro da loja física nos últimos seis meses.

Comentários no Facebook