Google destruiu o mercado para Java, diz Oracle

Em 14 ago 2015 - 12:05pm por redação
Google destruiu o mercado para Java, diz Oracle

A Oracle expandiu a extensão da sua batalha em andamento por direitos autorais contra o Android e acusou o Google de “destruir”  o mercado para Java.

A Oracle fez um pedido no final do mês passado para ampliar seu caso contra o Android.

Agora, uma queixa suplementar requerida nesta semana em um tribunal de San Francisco inclui as seis novas versões Android que saíram desde que a Oracle deu entrada no caso originalmente em 2010. São elas: Gingerbread, Honeycomb, Ice Cream Sandwich, Jelly Bean, Kit Kat e Lollipop

“Como aconteceu com versões anteriores do Android, esses seis lançamentos Android copiam milhares de linhas de código fonte da plataforma Java, assim como a estrutura, sequência e organização dessa plataforma”, acusa a Oracle. “Assim como antes, essa cópia constitui violação de direitos autorais.” 

A Oracle ainda destaca que o Android se expandiu para além dos smartphones com o passar do tempo para ser adotado em aparelhos wearables, TVs, carros, e vários aparelhos domésticos. 

A publicidade na plataforma móvel também cresceu dramaticamente, aponta a Oracle, impulsionando assim a principal fonte de rendimentos do Google e permitindo assim que a gigante de buscas “ganhe enormes lucros da exploração direta e indireta do código violado”.

Como resultado de tudo isso, o segmento Java, da Oracle, foi seriamente afetado, aponta o documento.

“Dado o amplo domínio que o Android alcançou com seu contínuo uso desautorizado de 37 pacotes de API Java nos últimos anos, o Android destruiu irreversivelmente a proposta fundamental de valor do Java como um potencial sistema operacional para aparelhos móveis”, afirma a Oracle.

A Oracle busca um julgamento declaratório, uma ordem de proibição, danos e um pedido cobrindo seus e honorários com advogados.

O Google se recusou a comentar o assunto, enquanto que a Oracle não tinha respondido aos nossos pedidos até o fechamento da reportagem.

Comentários no Facebook