Hackers soltam na web conteúdo roubado do site de traições Ashley Madison

Em 19 ago 2015 - 1:19am por redação
Hackers soltam na web conteúdo roubado do site de traições Ashley Madison

A empresa canadense Avid Life Media está correndo para “apagar um incêndio”. Dona do site AshleyMadison.com, que promove encontros amorosos traidores, a empresa está analisando um enorme lote de dados que foi liberado nesta terça-feira, na internet, pelo grupo de hackers que invadiu o site há um mês, roubando dados dos seus frequentadores e ameaçando divulgar seu conteúdo na web caso a empresa não fechasse o site em um prazo de 30 dias.

O grupo de hackers se autodenomina Impact Team. No último dia 19 de julho, os hackers postaram na internet uma amostra com 40 MB de dados roubados (endereços de email, e dados de marketing e vendas) exigindo que a Avid Life Media fechasse o AshleyMadison.com e um outro site chamado Establishedmen.com. O grupo de criminosos acusa o site de imoral por promover e apoiar casos extra-conjugais e adultério.

A empresa divulgou uma nota oficial informando que está “monitorando ativamente e investigando a situação para determinar a validade de qualquer informação publicada online”. Segundo a nota da empresa, a liberação dos dados “não é um ato de hacktivismo, é um ato criminoso”.

A companhia contratou investigadores forenses independentes e está trabalhando com a Real Polícia Montada, a Polícia Provincial de Ontário, os Serviços de Polícia de Toronto e o FBI.

Em nota publicada no site Pastebin, o  Impact Team declarou que expôs a fraude, a enganação e a estupidez da Avid Life Media, incluindo no post links para os arquivos publicados no serviço de compartilhamento de dados Mega e num arquivo torrent. O arquivo liberado tem cerca de 8,68 GB e tem o nome de ashleymadison_db_dump. Os links para os arquivos no Mega, no entanto, foram rapidamente removidos.

A Avid Life Media está invocando o Digital Millennium Copyright Act (DMCA) para exigir que o material seja removido dos serviços onlne, mesmo apelo que utilizou na época da divulgação da amostra dos dados.

Comentários no Facebook