Motorista do Uber acusa taxistas de sequestro e agressão em SP

Em 10 ago 2015 - 7:34pm por redação
Motorista do Uber acusa taxistas de sequestro e agressão em SP

Um motorista do Uber que preferiu não se identificar afirma ter sido sequestrado e agredido por um grupo de taxistas na madrugada do último sábado, 8/8, em São Paulo, de acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo

Segundo a reportagem, o motorista diz que foi cercado por cerca de 20 táxis na região do Itaim Bibi, zona oeste de SP, após atender a um chamado de um passageiro na rua Santa Justina por volta das 3h30.

Em seu depoimento para a polícia, a vítima, que é motorista do Uber há cerca de dois meses, alegou ainda que tentou fugir dando marcha ré, mas que foi impedido pelo grupo de taxistas, que passou então a jogar pedras no veículo e a xingar o motorista.

Após tentar fugir a pé, o motorista do Uber foi perseguido por quatro taxistas em um Chevrolet Cobalt. Segundo ele, um dos taxistas estava armado e o obrigou a entrar no carro, onde ele ficou por cerca de trinta minutos e foi inclusive agredido com um soco no rosto. Depois desse tempo circulando pela região, ele foi deixado na rua Funchal, a cerca de 1,5km do local onde foi atacado. 

O motorista do Uber ainda aponta que um dos taxistas do grupo de taxistas roubou o seu carro, que foi encontrado cerca de 4 horas depois pela Polícia Militar “totalmente danificado”, de acordo com informações do boletim de ocorrência.

Motorista do Uber acusa taxistas de sequestro e agressão em SP

Uber

Procurada pela reportagem do IDG Now!, a assessoria do Uber no Brasil disse que  o caso é “inaceitável” e afirmou que a empresa “dando apoio total” ao motorista agredido. Confira abaixo o comunicado completo do Uber sobre o assunto:

“É inaceitável ver violência sendo usada contra gente que respeita as leis. Isto serve tanto para os motoristas parceiros, que querem trabalhar honestamente, como para os usuários, que estão exercendo seu direito de decidir como se mover pela cidade. A Uber esclarece ainda que está dando total apoio ao motorista que sofreu violência esse fim de semana e buscando, junto às autoridades, identificar os responsáveis por esse ato de barbárie. Acreditamos que qualquer conflito deve ser administrado pelo debate de ideias entre todas as partes, incluindo especialmente o usuário. Mais do que isso, acreditamos que ideias são à prova de violência.”

Ameaça

O caso acontece cerca de dois meses após o presidente do sindicato Simetaxis, Antônio Matias dos Santos, afirmar que “vai ter morte” durante uma audiência pública em SP. 

“Quero dizer bem claro para os nobres deputados que tomem providências. Porque se não tomarem providências, a gente, que é representante das categorias que os senhores ouviram falar um monte e que está aqui presente: não temos como conter a categoria, vai ter morte”, afirmou na época o presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores nas Empresas de Táxi do Município de São Paulo, Antônio Matias dos Santos.

Comentários no Facebook