Startup lança crowdfunding para fazer filmes de realidade virtual no espaço

Em 19 ago 2015 - 6:12pm por redação
Startup lança crowdfunding para fazer filmes de realidade virtual no espaço

Uma nova startup chamada SpaceVR quer democratizar algo que somente astronautas têm acesso: uma visão privilegiada e imersiva do espaço. Tudo que ela é precisa é de US$ 500 mil para bancar o projeto cujo objetivo é criar conteúdos de realidade virtual do espaço e transmiti-los para headsets de VR. 

Para isso, ela lançou no Kickstarter uma campanha de financiamento coletivo. Até então, a companhia conseguiu arrecadar cerca de US$ 39 mil e tem um prazo de 20 dias para levantar o restante. 

A ideia é enviar 12 pequenas câmeras para Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) e lá gravar vídeos em 360 graus. A forma de transmissão de todo conteúdo seria por streaming, um produto que os criadores defendem como um “Netflix do espaço”. Para assisti-lo seria preciso pagar uma assinatura mensal de US$ 10, cerca de R$ 35. 

Segundo o site da campanha, o objetivo é disponibilizar novos vídeos a cada semana. 

Em entrevista ao site The Verge, o cofundador e CTO da empresa, Isaac DeSouza, diz que o valor da arrecadação seria destinado para cobrir custos de financiamento e o primeiro ano de operações.

A campanha conta com doações a partir de um dólar até US$ 10 mil. Uma assinatura anual do SpaceVR sairia US$ 250. Outras recompensas incluem modelos 3D e um headset do Google Cardboard.  

O objetivo mais ambicioso da SpaceVR, talvez, seja disponibilizar – no futuro – conteúdo ao vivo. Mas como lembra o The Verge, um dos desafios do projeto diz respeito à largura de banda, especialmente da conexão da ISS com a Terra. 

A estação espacial consegue enviar dados para nossa base terrestre a 300 megabits por segundo, mas companhias que contam com equipamentos a bordo da nave têm acesso a somente a metade disso. O acesso da SpaceVR seria de 6 megabits por segundo e isso graças a parceria com a companhia NanoRacks, que conta com um laboratório comercial na ISS. 

No entanto, DeSouza garante que eles terão maior acesso, já que precisaria de cerca de 60 megabits por segundo para transmitir conteúdo de realidade virtual ao vivo e de alta qualidade. 

Para assisti-lo, usuários do “Netflix do espaço” precisariam de um headset de realidade virtual com resolução de 4K.  

 

  

 

 

 

 

Comentários no Facebook