5 dicas de cibersegurança para não cair em armadilhas nesta Black Friday

Em 24 nov 2017 - 11:42am por redação
5 dicas de cibersegurança para não cair em armadilhas nesta Black Friday - IDG Now!

A acirrada competição na Black Friday e a ansiedade dos consumidores para fechar ofertas que, à primeira vista, soam imperdíveis, podem levar a uma dor de cabeça desnecessária.

Nesta época de grandes promoções, muitos cibercriminosos estão atentos para chamar sua atenção sob anúncios maliciosos. A data incentiva a criação de sites fraudulentos, que simulam grandes players do mercado, fazendo com que os consumidores realizem compras fictícias, com o valor desviado para os golpistas, além de e-mails com falsas promoções, práticas conhecidas como phishing.

Mas segundo a empresa de cibersegurança Forcepoint, não é difícil reconhecer um site com níveis mínimos de segurança. “Basta conferir se na barra do browser o endereço começa com “https”. Isso não significa que o site seja legítimo, pois o fraudador também pode adotar criptografia. A vantagem é que, no caso de interações legítimas, os dados não podem ser interceptados entre os pontos de origem e destino”, explica a empresa.

Vale destacar que ofertas com preços muito diferentes da média praticada no mercado tendem a ser pouco confiáveis. Então, fique atento.

Na lista a seguir, a Forcepoint recomenda alguns cuidados como forma de prevenção contra fraudes ou compras em sites não recomendados pelo Procon.

1. Busque por e-commerces com boa reputação e histórico, e mesmo se o anúncio estiver associado a uma loja conhecida, é necessário verificar se o link ou o endereço realmente corresponde ao site;

2. Mantenha o antivírus dos endpoints atualizados. Ainda assim, no caso de dispositivos móveis, é bom evitar usar aplicações críticas, que envolvam dados pessoais e financeiros, em redes Wi-fi públicas;

3.  Antes de abrir um e-mail e clicar em algum link, verifique se o endereço do remetente, assim como a URL (o endereço do site) apontada pelo link, são verídicos. No caso do link, basta passar o mouse, sem clicar, que aparece a URL apontada no e-mail. Extensões de outros países (sem .br) e URLs encurtadas já são uma indicação óbvia de um provável golpe.

4. Na dúvida, se a mensagem realmente tem a ver com um pedido em andamento, o melhor é acessar o site por conta própria ou ligar para o SAC.

5. Você ainda pode verificar a reputação dos e-commerces através do site.

 

Comentários no Facebook