Black Friday: 7 dicas para comprar online

Em 24 nov 2017 - 11:41am por redação
Black Friday: 7 dicas para comprar online - IDG Now!

No ano passado, um número maior de brasileiros comprou online em datas relevantes, como o Black Friday. A expectativa é que o volume cresça ainda mais este ano. O Brasil desponta entre os países onde as compras online são uma forte tendência. A razão está na conveniência do consumidor encontrar com facilidade os produtos que deseja e com descontos atrativos nas lojas digitais, sem ter que se esforçar para encontrar uma vaga de estacionamento ou andar por horas visitando diferentes lojas para encontrar o que busca. 

A grande parte das pessoas acha extraordinário esse meio de adquirir produtos no século XXI, a única questão é que os cibercriminosos também sabem o quanto os consumidores são fascinados por isso. Todos os anos, surgem novas formas para interceptar e redirecionar o dinheiro dos consumidores para o bolso dos cibercriminosos. A boa notícia é que para vencê-los, basta apenas vigilância.

A Avast, proprietária das linhas de produtos de segurança Avast e AVG e detentora de uma rede poderosa que protege mais de 400 milhões de pessoas ao redor do mundo, compartilha algumas dicas para quem faz ou planeja fazer compras online, especialmente na Black Friday – uma das datas mais importantes do varejo. 

1. Proteja o seu sistema operacional: Antes de ir às compras é fundamental instalar um antivírus para proteger o sistema operacional do seu PC, isto se você ainda não o fez. Há softwares de segurança gratuitos que bloqueiam ataques de malware, sem que o consumidor perca a concentração em suas tarefas. 

2. Use o modo privado, principalmente em locais públicos: Mesmo recomendado para que as pessoas nunca realizem qualquer compra online ou transação bancária em uma rede Wi-Fi pública, às vezes esse tipo de operação é necessária devido à correria do dia a dia. Nesta situação, o uso da VPN (Rede Privada Virtual) é uma boa opção como camada de segurança – particularmente, ela é fundamental para qualquer atividade online via Wi-Fi pública. A VPN protegerá todas as comunicações privadas e transferências de dados do usuário no universo digital (como informações de logins e números de cartões de crédito), funcionando de forma independente da conexão, seja em um smartphone, tablet ou laptop.

3.  Apenas faça compras em sites seguros: Os cibercriminosos cresceram de maneira sofisticada o suficiente para se apresentarem como grandes marcas, enganando as pessoas para obter seus dados pessoais com sucesso. Para evitar esses truques, o usuário deve verificar se está no site que realmente deseja estar. A dica é ver se as informações estão escritas corretamente, como por exemplo: “bloomingdales.com” e não “bloomingdale.com”; se o logotipo e as cores estão certas; e se a barra de endereço do navegador é de um site seguro. Sites confiáveis de e-commerce sempre utilizam criptografia SSL (Secure Socket Layer) para proteger as transações, o que pode ser visto através da URL com iniciais HTTPS (e não apenas HTTP). Caso o “S” esteja faltando, o usuário deve sair da página online e realizar suas compras em um site que tenha a descrição HTTPS. Também é recomendado procurar por um ícone de cadeado e a palavra “Seguro”, que geralmente está à esquerda da URL, para confirmar que o site está protegido. Portanto, sempre procure pela descrição HTTPS em todo o site visitado. 

4. Navegue no site como “convidado”: Muitas lojas virtuais solicitam que o usuário faça seu registro, antes de inserir tudo o que deseja no carrinho de compras. O objetivo da loja é obter o e-mail da pessoa para enviar futuras ofertas, porém, na maioria das vezes esse registro é opcional. A dica é que o usuário permaneça no modo “convidado”, pelo tempo necessário ao fazer suas compras. Quanto menos dados pessoais permanecerem disponíveis na rede, a probabilidade de roubo dessas informações é menor no caso de uma violação. Afinal, sites de compras legítimos requerem apenas dados do cartão de crédito, endereços de cobrança e de envio. Assim, é preciso estar atento aos sites que solicitam outras informações, como data de nascimento. Uma vez inseridos os dados de pagamento, também é importante selecionar: NÃO armazenar essas informações. 

5. Utilize sites de pagamento: PayPal, ApplePay, and AndroidPay são exemplos de sites de pagamento que podem ser usados como cartão de débito virtual. Ao fazer uso desses serviços, o usuário evita ter que inserir repetidas vezes seus dados de cartão de crédito ao longo da sua jornada de compras. Além disso, esses sites de pagamento não compartilham as informações registradas, proporcionando ao usuário um controle maior sobre quem está acessando seus dados. 

6. Limite o cartão de crédito: Caso a pessoa opte por usar o seu cartão de crédito ao invés de um outro site de pagamento, a recomendação é usá-lo com um limite estipulado. Dessa forma, caso as informações de pagamento sejam comprometidas, o dano será proporcional ao limite do cartão. 

7. Atualize-se: O mundo dos cibercriminosos está mudando a cada momento. Estar à frente deles é possível, basta realizar as atualizações de softwares quando disponíveis. Tanto a Apple quanto o Windows emitem constantemente atualizações e melhorias de segurança para combater as ameaças que surgem. 

Um grande passo para que os dados pessoais não caiam em mãos erradas é simplesmente gerenciá-los com cuidado, seguindo dicas como estas.

Comentários no Facebook