Apenas 1 mil pessoas detém 40% do mercado de Bitcoin no mundo

Em 11 dez 2017 - 11:19am por redação
Apenas 1 mil pessoas detém 40% do mercado de Bitcoin no mundo - IDG Now!

Com uma valorização de mais de 900% em 2017, o Bitcoin vem dominando as manchetes sucessivamente nas últimas semanas com novos recordes – nesta quinta, 7/12, por exemplo, a moeda virtual superou os 15 mil dólares por unidade.

No entanto, isso tudo pode cair por terra de maneira rápida, de acordo com nova reportagem da Bloomberg, que aponta que cerca de 40% dos mercado de Bitcoin está nas mãos aproximadamente 1 mil pessoas. Essa concentração pode causar uma queda abrupta da moeda.

Isso porque, como aponta o diretor de pesquisas de mercados financeiros da AQR Capital Management, Aaron Brown, cada uma dessas pessoas que possuem grandes quantidades de Bitcoin podem decidir vender as suas partes por metade do preço, por exemplo. “Penso que há algumas centenas de pessoas. Eles provavelmente podem ligar uns para os outros, e eles provavelmente fazem isso”, afirma o sócio-diretor da Multicoin Capital, Kyle Samani, em entrevista para a Bloomberg.

O cofundador da BlockTower Capital, Ari Paul, segue a mesma linha de pensamento, ao afirmar que, “como em qualquer categoria de ativos, grandes proprietários individuais e corporativos podem e conspiram para manipular preços”. Segundo ele, no segmento de criptomoeda “tal manipulação é extrema por conta da juventude desses mercados e da natureza especulativa dos ativos”.

De acordo com o advogado especializado do escritório Ross & Shulga, Gary Ross, como o Bitcoin é uma moeda digital e não uma segurança, não há nenhum tipo de proibição quanto à prática.

Vencedor do Nobel quer o fim da moeda

Há alguns dias, o economista Joseph Stiglitz, vencedor do Prêmio Nobel de 2001, fez duras críticas à criptomoeda, pedindo o seu banimento. Em entrevista para a Bloomberg, o especialista afirmou que o “Bitcoin só é bem-sucedido por conta do seu potencial para fraudes e falta de supervisão”. “É uma bolha que dará muitas emoções para muitas pessoas à medida que sobe e desce.”

Comentários no Facebook