Mulheres são as maiores vítimas de perfis falsos em redes sociais

Em 8 mar 2018 - 3:21pm por videobes

No Brasil, as mulheres são as maiores vítimas de scammers – perfis falsos em redes sociais que têm como objetivo seduzir pessoas e aplicar golpes financeiros. De acordo com levantamento do Alerta na Rede, canal de denúncia de crimes digitais, do total de vítimas que denunciaram esse tipo de golpe entre outubro de 2016 e dezembro de 2017, 88% eram mulheres e 12% homens e, segundo o DFNDR Lab, laboratório especializado no combate ao cibercrime, apenas nos três primeiros meses de 2018, foram identificados cerca de 60 perfis falsos de scammers que tinham como alvo o público feminino.

As redes sociais mais usadas para esse tipo de golpe são o Facebook e os aplicativos de relacionamentos ParPerfeito e Tinder, respectivamente, segundo Emilio Simoni, Diretor do DFNDR Lab.

“Os golpistas identificam vítimas em potencial nessas redes sociais por meio da análise de uma série de característica em seu perfil. A primeira delas é boa situação financeira, já que o objetivo principal do golpe é a extorsão. Outros fatores que são prioritários na escolha da vítima é se a pessoa tem meia idade e se está recém-divorciada ou viúva. Muitos golpistas se passam por estrangeiros bem-sucedidos, militares, viúvos”, comenta o executivo.

A partir da identificação, é iniciado o contato . Geralmente, o criminosos tentam conquistar a confiança da vítima, em contatos diários. Após a aproximação, alegam o envio de um suposto presente, mas depois fingem que caiu na alfândega e, para liberá-lo, uma pessoa liga pedindo uma quantia em dinheiro” diz Simoni.

Para orientar os usuários a se prevenirem dos riscos no ambiente online e alertar sobre como agir frente a esse tipo de golpe, o especialista do DFNDR Lab reuniu orientações.

Confira.

1 – Desconfie da aproximação de pessoas desconhecidas na internet
Como no mundo digital é mais difícil que golpistas sejam criminalizados, é comum que uma grande quantidade de golpes ocorra diariamente. Portanto, fique atento a aproximação de pessoas desconhecidas e desconfie, principalmente, caso ela peça ajuda financeira ou acesso a seus dados pessoais.

2 – Tenha um antivírus que detecta perfil malicioso
Para não ser enganado por esse tipo de golpe, utilize soluções de segurança que detectam perfis falsos. O DFNDR Security, disponível gratuitamente na Google Play, por exemplo, é capaz de analisar todas as ameaças existentes no mundo virtual, incluindo os scammers, e bloqueá-las instantaneamente.

3 – Tome cuidado com usuários que alegam ser estrangeiros
É mais comum que esse tipo de golpe seja aplicado por perfis falsos que alegam ser estrangeiros. O golpista tenta atrair a atenção das vítimas ao dizer que são bem-sucedidos, viúvos e, às vezes, que ocupam posições no exército. É importante ficar atento a suas argumentações e analisar a fundo seu perfil social. Por exemplo, se tem de fato contatos que interagem e parecem de fato conhecê-lo, se há bastante opções de fotos e de diversos lugares, o período em que o perfil está ativo, etc.

4 – Peça que a conversa seja por vídeo
Por se tratar de um golpista, geralmente, esse tipo de cibercrimonoso utiliza imagens de outras pessoas para enganarem suas vítimas. Com isso, peça para que a conversa seja feita por web cam. Caso ele diga que não é possível e fuja do assunto, desconfie, pois, provavelmente, está buscando evitar mostrar sua real identidade.

5 – Cuidado com o compartilhamento de suas informações
Fotos e vídeos estão constantemente na mira de pessoas mal-intencionadas e com os scammers isso não é diferente. Portanto, para não ter sua privacidade exposta no mundo digital, é recomendável evitar o compartilhamento de dados pessoais e, principalmente, de fotos íntimas. Muitas vítimas acabam sendo chantageadas pelos golpistas com esses dados.

Fui vítima de um scammer. E agora?

Registre um Boletim de Ocorrência (B.O.)
Procure um advogado
Fale abertamente sobre o assunto e oriente as pessoas a sua volta. Lembre-se: Vergonha ou medo só reforçam a impunidade. Por isso, garanta os seus direitos e não se cale. A culpa nunca é da vítima! Além disso, procure apoio de amigos e familiares.

Comentários no Facebook