O que é um mecanismo de busca e como ele funciona afinal?

Em 5 set 2018 - 1:30pm por videobes

O presidente Donald Trump criticou o Google na última semana, alegando que a empresa “manipulou” os resultados da Pesquisa de Notícias do Google – o Google News – para favorecer histórias e organizações de notícias críticas a ele.

Para reforçar sua afirmação sobre preconceito, Trump postou um vídeo no Twitter com a hashtag #StopTheBias, alegando que o Google promoveu os discursos sobre o Estado da União, um relatório apresentado pelo Presidente dos Estados Unidos anualmente, do ex-presidente Barack Obama, mas parou a prática quando ele assumiu o cargo.

Em um comunicado divulgado à imprensa, um porta-voz do Google disse que a empresa não promoveu em sua homepage os primeiros discursos de Obama ou Trump, porque tecnicamente eles são considerados meros “discursos para uma sessão conjunta” do Congresso.

Os fatos em torno deste incidente estão sendo canalizados para debates políticos on-line rancorosos e contínuos, que, na minha opinião, não são particularmente interessantes. O que é interessante é a grande questão que esse conflito traz à tona.

Afinal, o que é um mecanismo de pesquisa?

Um mecanismo de pesquisa pode ser quatro coisas.

1. Um índice para a internet

Quando o Google lançou seu mecanismo de busca em 1996, ficou claro o que era um mecanismo de busca: um índice da internet. A inovação foi a capacidade de classificar as páginas de uma forma que deveria refletir a relevância ou a importância relativa de cada resultado. Tanto os resultados quanto o ranking deveriam ser um reflexo da própria internet, não um índice para as informações que existem no mundo real.

2. Um árbitro do que é verdade

Nessa visão, o Google Busca favorece informações objetivamente verdadeiras e não enfatiza links para conteúdo que é objetivamente falso.

3. Uma fonte objetiva de informações

A ideia de fonte objetiva é que o Google tenta apresentar todos os aspectos controversos e todas as fontes de informação, sem favorecer ideias ou fontes.

4. Uma fonte personalizada de informações

O conceito de fonte personalizada diz que um mecanismo de pesquisa oferece a cada usuário um conjunto diferente de resultados com base no que o usuário quer, independentemente do que é verdadeiro, do que está acontecendo na Internet ou de qualquer outro fator. Isso tudo é bem abstrato, então aqui está um experimento de pensamento esclarecedor:

Quando alguém pesquisa o Google para descobrir a forma da Terra, como o Google deve abordar essa consulta? Depende do que o Google acredita ser um mecanismo de pesquisa.

Observe que é provável que os proponentes da Terra gerem, vinculem-se e tagarelem sobre a ideia de que a Terra é plana mais do que as pessoas que acreditam que é esférica. Vamos supor, para fins de argumentação, que, objetivamente, o conteúdo e a atividade real na internet favorecem a ideia Terra plana.

Se um mecanismo de busca deve ser um índice para a internet, então os resultados da pesquisa da forma da Terra devem favorecer a ideia da Terra plana.

Se um mecanismo de pesquisa deve ser um árbitro do que é verdadeiro, os resultados da pesquisa devem favorecer a ideia da Terra esférica.

Se um mecanismo de busca deve ser uma fonte objetiva de informação, então os resultados da busca devem fornecer um resultado balanceado que represente igualmente as teorias da Terra, plana e esférica.

E, se um mecanismo de busca deve ser uma fonte personalizada e de informações personalizadas, os resultados devem favorecer a ideia da Terra plana ou a da Terra esférica, dependendo de quem está pesquisando.

Eu uso a forma da Terra como um proxy ou stand-in para os verdadeiros resultados de pesquisa que as pessoas estão conduzindo. Por exemplo, pesquisas sobre sua empresa, produto, marca ou até mesmo sobre você ainda estão sujeitas à mesma confusão sobre o que um mecanismo de pesquisa deve ser.

Quando seus clientes, potenciais parceiros de negócios, funcionários ou futuros funcionários em potencial e outros buscam informações sobre sua organização, que resultados eles devem obter? Esses resultados devem refletir o que é “verdadeiro”, o que é falso, mas é popular ou o que é neutro entre os dois? Ou deveria depender de quem está fazendo a pesquisa?

A verdade é que o Google tenta fazer com que o Google busque todas essas quatro coisas ao mesmo tempo. Somando-se à complexidade do problema, está o fato de que os resultados dos mecanismos de busca são governados por algoritmos, que são segredos comerciais que estão mudando constantemente.

Se você perguntasse às pessoas, acredito que a maioria diria que o Google Busca deveria ser o Modelo nº 1 – um índice da Internet – e não se envolveria em decidir o que é verdadeiro, o que é falso ou qual é a resposta que o usuário deseja ouvir.

E, no entanto, o mundo exige cada vez mais que o Google aceite o Modelo nº 2 – seja um árbitro do que é verdade.

Os governos não toleram um índice preciso

Trump afirmou repetidamente que, em geral, a cobertura da mídia é tendenciosa contra ele. Se isso for verdade, e se a pesquisa do Google News for um índice passivo do que a mídia realmente está informando, não seria razoável Trump esperar uma cobertura anti-Trump na ferramenta?

Ao criticar o Google News Search como “fraudulento”, Trump parece revelar uma expectativa de que o Google Notícias deve refletir o que está acontecendo no mundo real como ele vê, e não o que está acontecendo nos sites de notícias.

Ou revela que, independentemente do peso da atividade em favor das fontes de notícias que Trump acredita serem tendenciosas contra ele, o Google News Search deve fornecer uma representação equilibrada e neutra de todas as opiniões e fontes igualmente.

A rejeição do modelo de mecanismo de busca como índice da Internet é comum entre governos e líderes políticos em todo o mundo. Um exemplo famoso é a ideia do “direito a ser esquecido”, que foi colocada em prática como lei tanto na União Europeia quanto na Argentina. A ideia é que a informação na internet pode injustamente estigmatizar uma pessoa, e os cidadãos têm o direito de que essa informação seja “esquecida”, o que significa que não existe nos resultados dos mecanismos de busca.

Digamos, por exemplo, que uma pessoa proeminente peça falência e que 100 sites de notícias e blogs na internet registrem o fato. Vinte anos depois, bem depois que a pessoa restaurou a solvência financeira, as informações antigas ainda estão disponíveis e podem ser encontradas nos mecanismos de busca, causando estigmatização infundada.

Uma petição de direito a esquecimento bem-sucedida pode remover a referência a essas páginas dos resultados da pesquisa. As páginas ainda existem, mas os mecanismos de pesquisa não vinculam a elas quando alguém pesquisa o nome da pessoa.

Os defensores das leis do direito ao esquecimento claramente acreditam que existe um mecanismo de busca para refletir o mundo real como é, ou como deveria ser, e não existe para refletir a internet como ela é.

Recentemente, o Google foi envolvido em uma controvérsia sobre um suposto retorno ao mercado chinês com um mecanismo de busca personalizado na China, que censura o conteúdo da internet da mesma forma que os sites domésticos são obrigados pelo governo chinês. Centenas de funcionários do Google assinaram uma carta em protesto.

O Google quer “voltar” ao mercado chinês. O governo chinês não permitiria que o Google operasse um mecanismo de busca acessível a cidadãos chineses que refletisse com precisão o que realmente está na internet.

Os exemplos continuam. O que os governos tendem a ter em comum é que, nos círculos políticos, é muito difícil encontrar pessoas defendendo a concepção do índice para a internet do que um mecanismo de pesquisa deveria ser. Por que a ideia do mecanismo de busca como índice está morta.

A missão declarada do Google é “organizar as informações do mundo e torná-las universalmente acessíveis e úteis”. Nebuloso, sim. Mas, para os propósitos desta coluna, está dizendo que o Google diz que sua missão é organizar, não a informação da internet, mas o “mundo”.

A realidade é que as pessoas usam Pesquisa do Google e outros mecanismos de pesquisa porque querem informações sobre o mundo, não porque desejam informações sobre o que a internet coletivamente “pensa”.

E, de qualquer forma, o ponto está se tornando discutível. O que a internet “pensa” é cada vez mais jogado e manipulado por propagandistas, bots, notícias falsas, trolls, teóricos da conspiração e hackers. Refletir com precisão todas essas informações manipuladas nos mecanismos de busca é valioso apenas para os manipuladores.

Além disso: a cada dia que passa, mais informações “pesquisando” estão acontecendo por meio de assistentes virtuais, como o Google Assistente, Siri, Cortana e Alexa. Em outras palavras, assistentes virtuais estão se tornando os novos mecanismos de busca.

Com óculos de realidade aumentada e outras fontes de informação altamente móveis, os mecanismos de busca como o Google terão de se tornar cada vez mais árbitros do que é verdadeiro, ou supostamente verdadeiro, porque o público exigirá cada vez mais uma única resposta para suas perguntas.

É por isso que as antigas iniciativas para a presença da sua empresa na internet – SEO, marketing, estratégia de mídia social e tudo mais – têm nova urgência.

A cada dia que passa, os mecanismos de pesquisa existem menos para indexar a internet e mais para decidir por todos nós o que é “verdadeiro” e o que “não é verdade”.

É hora de redobrar seus esforços para garantir que o que o Google acha que seja verdade sobre sua empresa é realmente verdadeiro.

Comentários no Facebook