Inteligência Artificial supera médicos em diagnóstico de câncer de pulmão

Em 22 maio 2019 - 3:13pm por videobes


Sistemas baseados em inteligência artificial conseguiram detectar com mais precisão do que médicos pequenos tumores cancerígenos no pulmão a partir da análise de exames de tomografia computadorizada. O estudo foi publicado esta semana pelo Google juntamente com vários centros médicos na revista Nature Medicine.

Cerca de 1,7 milhões de pessoas em todo o mundo morreram devido ao câncer de pulmão no ano passado. Para prevenir a doença, pacientes passam por exames que, posteriormente, serão analisados por radiologistas que decidirão se há necessidade de fazer uma biópsia. No entanto, esse diagnóstico nem sempre é preciso, e erros podem levar pacientes a passarem por procedimentos invasivos sem necessidade. Até que os cientistas pensaram que um computador poderia fazer melhor.

Os estudiosos então aplicaram inteligência artificial na leitura de exames de tomografia computadorizada usados para rastrear pessoas em busca de câncer de pulmão. Em testes realizados com 6.716 casos com diagnósticos conhecidos, o sistema foi 94% mais preciso em comparação a seis especialistas radiologistas, apresentando menos falsos positivos e falsos negativos quando não havia nenhum escaneamento prévio.

“Temos alguns dos maiores computadores do mundo”, afirmou o Dr. Daniel Tse, diretor de projetos do Google e autor do artigo, em entrevista ao The New York Times. “Começamos a querer expandir os limites da ciência básica para encontrar aplicações para trabalharmos”.

Deep learning

A tecnologia ainda está em desenvolvimento mas, certamente, definirá os rumos do uso da inteligência artificial na medicina. A capacidade da IA de reconhecer padrões e interpretar imagens promete revolucionar a forma como exames de raio-x, lâminas de microscópios e diagnósticos por imagem são analisados.

Para executar essas funções, um sistema baseado em deep learning é alimentado por gigantescas quantidades de dados de imagens médicas em redes neurais artificias. Depois, os computadores são treinados pelos pesquisadores para reconhecer padrões relacionados a problemas específicos, como uma fratura ou um câncer. Assim, o sistema segue um algoritmo e algumas determinações para aprender à medida que recebe novos dados.

A tecnologia de deep learning é a mesma utilizada em carros autônomos e permite que o veículo reconheça um pedestre ou um poste e identifique uma placa. Já na medicina, alguns testes estão sendo feitos pelo Google com médicos patologistas para aprimorar a leitura de lâminas para diagnosticar o câncer e também com oftalmologistas para ajudar a identificar problemas na visão em pacientes com diabetes.

Comentários no Facebook